08 janeiro 2014

- Mãe, não coube na mala.


  Os dias foram se passando, em meu horizonte eu calculava os passos das pessoas e suas devidas direções, enquanto eu balançava meus cachos e via eles brilharem ao pôr do sol, falei para mim mesma:

- Essa foi a vida que Deus reservou para mim. Não vou desistir dela tão cedo. 


  Observei as crianças catando conchas, como se o mundo tivesse guardado dentro delas; o sorriso das pequenas ao avistarem seus pais e mostrarem o que encontraram era do tamanho das constelações que eu costumava estudar na quarta série. Falei novamente:

- Eu também já fui criança. 


  Aos olhares invejosos, ás crenças inacabáveis, aos criadores do próprio mundinho hipócrita eu não me entreguei, pois agora só tinha eu e as ondas, enquanto eu escutava Big Girls Don't Cry me senti tocando as nuvens e por último falei mais uma vez:

- Será que elas definitivamente foram feitas de algodão doce?



  Viajar. O que seria de mim se eu não pudesse me desligar de minha cidade natal e me entregar á uma estrada estranha e talvez sem volta?

Yasmin Ariadiny 

Nenhum comentário:

Postar um comentário