08 abril 2014

A surpresa do ser implícito



Que tal a vida como ela é!?
Parece que levei um choque porque hoje, percebi realmente o que é viver, como é. Eu sempre falo sobre como a vida é injusta e como o mundo está cada vez mais desumano, mas nada como uma situação prática para a gente perceber que não sabe de nada, ou no mínimo, que nada é tão fácil quanto parece.
Geralmente as pessoas não tem a maior habilidade que, para mim, um ser humano deve ter, que é a empatia, e há muito tempo que isso me incomoda porque acho que a falta dessa incrível característica impede muitas pessoas de serem felizes e,  o mais importante, de fazerem as outros felizes.
 “Mas por que você está fazendo isso!? Por que está chorando!? Por que está reclamando da sua vida perfeita!?”, a gente se pergunta sem ter o mínimo de cuidado com os sentimentos dos outros, sem se preocupar com a história que existe por trás daquela ação que pode ter sido apenas um momento de fraqueza. E como a gente se engana com a vida dos outros, como a gente julga sem ter o mínimo de conhecimento do sofrimento do outro, e isso não é apenas um clichê por que as vezes a realidade é tão sufocante, tão desesperadora que a gente se perde, simplesmente fica sem saída e não importa o quão perfeitas as coisas sejam, isso nunca será o suficiente porque existe uma vozinha que ecoa por todo o nosso corpo, deixando- o exausto, e também pela nossa cabeça, enfraquecendo nossa razão, impossibilitando-nos de reparar nas coisas boas da vida, de valorizá-las.
Então, o que fazer, eu me pergunto... A resposta é tão cruel, que me dói ter que dizê-la, mas se me propus a escrever foi porque precisava dizer a verdade, não só para os outros, talvez até mais para mim; Mas, bem, a verdade é que o mundo não para, nunca, para a gente se preparar para as adversidades e quando elas chegam, não se importa com como vamos lidar com aquilo, ele apenas passa por cima de você, com todas as suas pontas afiadas.  O mundo não é solidário, você vai chorar e as pessoas vão continuar suas vidas porque ninguém se importa de verdade. Você vai ter um problema, milhões de problemas e nenhum vai ser o suficiente para que você possa ser compreendido, a gente sempre será julgado e condenado da maneira mais bruta possível.  E como diz A Banda Mais Bonita da Cidade “Se você quer ser um guitarrista do Iron Maiden tem que saber que não é invulnerável, que vão te fazer a corte, os cortes, nunca as suturas”
E como lidar com isso!? Isso podemos descobrir juntos, acho que iremos, pelo menos é o que dizem, que com o tempo( o bendito tempo), iremos aprender a superar as adversidades, mesmo aquelas causadas única e exclusivamente por nós mesmos, nos tornaremos canções sem pausa, que seguirão, líricas, lindas, longas. Se eu acredito nisso!? Nem um pouco, no momento toda a cura e o saber me parecem muito distantes, mas acredito que a parte mais difcíl de um problema seja reconhecê-lo, a aceitação também faz parte do processo e eu posso seguir essa caminhada, porque só eu sei aonde me dói, só você sabe o caminho da tua casa e o caminho que faz para chegar até lá então vou me manter firme só para, mais tarde, me deleitar no dizer da superação.

Esther Lisboa

Nenhum comentário:

Postar um comentário