04 junho 2014

Cartas para Julie: Estilhaços.



São sempre as mesmas clemências, vindas de fora e de dentro, de fora pra dentro.
Fumo que expiro leva consigo os mesmos conflitos, amarguras que deixam o mesmo gosto na boca.
Retratos nunca revelados, emoldurados pelas mesmas metades.
Metade, morno.
Lágrimas queimam o rosto, e já não desviam o sorriso.
São essas músicas.
Esses lugares.
Essas pessoas.
Esses cheiros.
Essas roupas.
Estas paredes.
Estas cartas.
Remetem você.
Cobranças que perduram.
Certeza que dança desequilibrada pela linha rúptil da consciência.
"O beijo, amigo, é a véspera do escarro. A mão que afaga é a mesma que apedreja."

Em meio à bruma, percebi.
Quando equilibrei-me em meus próprios joelhos,
Quando despi-me sozinha de todas as horas,
Todo o dissabor
A piedade,
O pesar,
Toda a armaria.
Quando enxerguei
Você.
Você
Me viu.
Mentiu... Amiúde.

Só me prometa, em tua equidade. Prometa-me nada menos do melhor que há em teu âmago. O que um dia vi. Faça-me vê-lo de novo. Dê-me. Faça-nos interdependentes.
Pois sim
Ainda há
Em mim,
Você.

Alforrie-se.


                                                                                                            
 Allan.

Texto e desenho por: Ana

Original: Letters be

Nenhum comentário:

Postar um comentário