01 maio 2015

The lost art of conversation



Conversas que se iniciam
Mas não tem fim

Oi
Oi

Tudo bem?
Tudo... E você?

Bem tmb
...

Deixemos assim
Meio que subentendido

Aquela vontade unilateral de conversar por horas
Aquele medo de parecer patético e carente

Aquela falta de assunto desoladora
Aquela preguiça de continuar insistindo

O medo que antecedo o amanhecer
O entusiasmo da primeira conversa

O tempo
Esfria quase tudo

Conforme-se alma rara
Com a calma da ausência

Fazer laços intelectuais já foi mais fácil
Conversar já foi mais fácil

Agora os olhos se escapam
As bocas se brigam ininterruptamente

Não há a paz de palavras recitadas
O aconchego de consolos ditados

Agora é corrida de experiências
De desejos

Perde quem se doa
Quem se despe dos outros

         Se deixa invadir por um
E esquece 

Na vida
A gente não é de ninguém

Esther Lisboa

Nenhum comentário:

Postar um comentário